segunda-feira, 29 de junho de 2009

Neste Verão experimente tornar-se um ecoturista

Férias


por BRUNO ABREU

Já pensou o que vai fazer para descansar este ano? Que tal fugir da cidade e passar uma ou duas semanas só com o som dos pássaros e do vento a passar nas árvores? O ecoturismo está a desenvolver-se e a oferta no nosso país é cada vez maior. Aproveite as actividades oferecidas nos parques naturais e vá conhecer melhor o ambiente enquanto se diverte.

A única coisa que se tira da natureza são fotos e nada se deixa excepto pegadas. Esta é a principal regra que o turista ecológico deve ter em mente quando for de férias. Uma ideia que tem cada vez mais adeptos em todo o mundo, porque o turismo convencional traz vários problemas ao ambiente. "Há pessoas que vão andar de moto4 para as dunas ou escalar falésias com aves em período de nidificação", explica Nuno Sarmento, da Liga para a Protecção da Natureza (LPN). Também o aumento dos empreendimentos turísticos, como no litoral, causa muita pressão sobre o ambiente, devido à poluição e aos danos no terreno.

Evite fazer fogueiras, não deite detergentes nos rios e não despeje lixo na natureza. Estes são comportamentos que deve ter presentes. E se acha que nas áreas protegidas não se vai divertir, tire essa ideia da cabeça. Em todos os parques existem ofertas de divertimento ambiental. Passeios a cavalo no Gerês, canoagem no Douro, observação de flamingos na ria Formosa são actividades que pode realizar, assim como paintball, rappel ou tiro com arco, para emoções mais fortes.

Ecoturismo consiste em passar férias em contacto com a natureza, sem danificar o ecossistema e promovendo o desenvolvimento sustentável. Nuno Sarmento defende que as pessoas devem informar-se acerca do sítio para onde vão e saber se esses locais são fiáveis. Já chegaram queixas à LPN de actividades que no final não são muito ecológicas: "Em Castro Verde (Alentejo) chegaram queixas à LPN de pessoas que foram fazer observação de aves e que os organizadores se chegaram demasiado aos pássaros, assustando-os. Ora isto não é atitude de um ecoturista", revela o ambientalista.

Planeie bem as suas férias e aproveite a Internet para ajudar. Os fóruns costumam ser bons conselheiros, pela partilha de experiências que se faz nesses espaços.

Caso viaje para fora, tenha atenção às emissões de carbono e co-mo organiza a sua viagem. "Use o meio de transporte menos nocivo para o ambiente e não compre pacotes em agências de viagens", recomenda o ambientalista. Pesquise na Internet sítios onde ficar e compre localmente para apoiar as populações. Mas atenção ao que compra, pois há sítios que vendem objectos feitos de marfim, tartaruga, couro de répteis, peles de animais, corais e conchas.

Durante as suas férias dispense o uso do automóvel e prefira uma bicicleta ou andar a pé. Assim estará muito mais exposto aos odores, sons e cenários da natureza. Usar ingredientes regionais na confecção das suas refeições dar- -lhe-á um melhor entendimento dos sabores locais, além de reduzir os custos ambientais decorrentes da importação de produtos.

Tenha atenção ao sítio onde fica alojado. Alugar uma casa é mais amigo do ambiente, já que consegue controlar os gastos em electricidade, água, comida (que nos hotéis é desperdiçada) e controla ainda o ar condicionado. DN


quarta-feira, 24 de junho de 2009

Linces podem chegar mais cedo às serras e montados de Moura-Barrancos

22.06.2009
Helena Geraldes

O regresso do lince-ibérico às serras e montados de Moura-Barrancos, no Baixo Alentejo, pode estar mais próximo do que se julga. Em Espanha há registos recentes de animais que chegam bem perto da fronteira. Mas se por cá as condições ecológicas já são “bastante boas”, falta ainda aumentar um pouco mais a população de coelho-bravo, a sua principal presa, e conquistar as populações locais, considera a Liga para a Protecção da Natureza (LPN).

Há mais de 30 anos que a LPN trabalha pelo regresso a Portugal do lince-ibérico (Lynx pardinus), o felino das barbas e dos pêlos em forma de pincel na ponta das orelhas. Em Dezembro deste ano termina um projecto Life que, desde Outubro de 2006, tem procurado recuperar e conservar habitats e corredores que os ligam entre si nas serras e montados de Moura-Barrancos, dotando-os de condições de sobrevivência para a espécie.

Esta região é uma das oito áreas prioritárias de intervenção do Plano de Acção para a Conservação do Lince-ibérico em Portugal, publicado em Diário da República a 6 de Maio de 2008, juntamente com Malcata, Nisa, São Mamede, Guadiana, Caldeirão, Monchique e Barrocal.

Esta quinta-feira, a associação lançou um site dedicado ao projecto, financiado a 75 por cento pela Comissão Europeia, com actualização constante e uma versão em inglês. Até agora, a informação estava dispersa pelo portal da LPN. “Sempre foi essa a nossa intenção, mas só agora foi possível”, comentou Eduardo Santos, coordenador do projecto, ao PÚBLICO.

No âmbito deste projecto Life, a Liga construiu dezenas de abrigos para coelho-bravo (Oryctolagus cuniculus), colocou comedouros e bebedouros e recuperou vegetação. “Antigamente era costume dizer-se por lá que havia tantos coelhos que parecia que os montes se mexiam. Hoje, há zonas onde a população ficou reduzida a menos de cinco por cento”, notou. “Precisamos aumentar e estabilizar” os coelhos, a principal fonte de alimento do lince, ainda que um animal adulto consuma apenas um coelho por dia. Muito depende da sua conservação. Apesar de os resultados definitivos só serem conhecidos no final do ano, Eduardo Santos constata que as estruturas colocadas para os coelhos estão a ser utilizadas.

Além disso, estão a ser intervencionadas duas linhas de água, que deverão funcionar como corredores ecológicos para o lince.

Projecto abrange 7700 hectares

Mas para implementar estas medidas é essencial conseguir a colaboração da população local. Desde 2006 foram estabelecidos oito protocolos de cooperação com entidades privadas e públicas de Moura-Barrancos – como proprietários e gestores de zonas de caça – num total de 7700 hectares. “Todas as medidas que propomos no plano de gestão [incluído no protocolo assinado com cada propriedade] não têm qualquer encargo para os proprietários. É tudo suportado pelo projecto”, explicou Eduardo Santos. E, garante, “não há imposição de limitações. Aliás, o que pretendemos é mostrar que é possível fazer uma gestão normal e, simultaneamente, concretizar as medidas de protecção do lince”.

No entanto, se estes 7700 são um “bom início”, não se pode dizer que sejam suficientes. “Gostaríamos de chamar mais pessoas para o projecto”, até porque “uma fêmea reprodutora precisa de 500 a 600 hectares”.

E se não existe antipatia pelo lince, a verdade é que ainda “há algum receio de que a conservação da espécie traga limitações àquilo que se pode fazer na gestão das propriedades”. “Precisamos conquistar as pessoas, mostrando-lhes que o regresso do lince pode ajudar a promover a região”, defende.

Em Espanha, onde ainda há lince, o trabalho é mais fácil porque esta é uma causa que “tem uma cara e as pessoas podem ver os animais. Lá existem populações para se trabalhar. Isso faz toda a diferença”. Mas em Portugal, a situação está prestes a mudar, com a chegada prevista para este ano de alguns linces para o recentemente inaugurado Centro Nacional de Reprodução do Lince, em Silves.

O lince é o felino mais ameaçado de extinção em todo o mundo e estima-se que existam apenas cerca de 150 indivíduos na natureza.Ecosfera


segunda-feira, 22 de junho de 2009

Novo centro de reciclagem vai valorizar entulho de obras



Restos de tijolo do entulho de obras de um edifício podem servir para arranjar uma estrada rural na Beira Interior, graças a um novo centro de reciclagem, revelou hoje o presidente da Associação de Municípios da Cova da Beira (AMCB).

O Centro Integrado de Reciclagem e Valorização Ambiental (CIRVA) vai ser criado no Sabugal, para receber resíduos de construção civil, na mesma altura em que a lei vai obrigar quem constrói a valorizar os inertes produzidos.

«A partir de Julho, quando receberem projectos de construção, as câmaras são obrigadas a exigir uma volumetria dos inertes que vão ser produzidos na obra e onde vão ser entregues», explicou José Biscaia, presidente da Câmara de Manteigas e da AMCB.

«Cada câmara podia criar uma solução, assim como cada construtor é livre de optar por qualquer firma que certifique a entrega dos resíduos. Mas nós pretendemos ajudar nessa solução com o CIRVA», acrescentou.

Segundo José Biscaia, o centro é «um investimento privado das firmas Cirva A. C. E. e Tecnovia, que ascende a 500 mil euros» e que vai ser rentabilizado pelos resíduos que ali forem entregues.

Diário Digital / Lusa

quinta-feira, 11 de junho de 2009

ATN Saída de Campo 27 Junho - Ceifa Tradicional




Desde que o Homem na Europa deixou de ser nómada e se dedicou à agricultura, no período Neolítico, que a época das colheitas tem importância no ciclo de vida das populações humanas. Uma colheita abundante significava protecção dos deuses e fartura para o ano vindouro. Ainda hoje, os ciclos do cereal e a ceifa possuem importância na nossa vida. Os cereais são a base da nossa alimentação, desde o grão à farinha, do pão às massas.
A ATN semeia todos os anos pequenos campos de trigo, centeio e aveia, que são essenciais na alimentação de espécies como o Coelho-bravo, a Perdiz-vermelha e mesmo o Pombo-da-rocha. No fim da Primavera, parte deste cereal é colhido e guardado para a construção de telhados de colmo tradicionais e para a alimentação suplementar dos nossos cavalos garranos. Em Junho, quando o cereal dourado está pronto a ser colhido, convidamo-lo a participar nesta actividade tradicional da ceifa. Venha connosco e com o povo de Algodres para os campos, experimentar, com a ajuda de mãos experientes, a ceifar à moda antiga. Participe neste encontro entre tradições milenares e a conservação da natureza.

Data: 27 de Junho de 2009

Local: Reserva da Faia Brava, Algodres, Figueira de Castelo Rodrigo

Programa da actividade:

A visita começa às 9.00h, em frente da igreja da aldeia de Algodres. A actividade tem a duração aproximada de 8 horas, com várias pausas e um merecido descanso nas Hortas da Sabóia. A partir de Algodres, sairemos com a população local para um dia de trabalho à moda antiga. Juntos iremos até aos campos de cereais, onde iremos aprender sobre a sua importância na manutenção dos ecossistemas e no mosaico agro-florestal da região. A ceifa será feita em conjunto com a população local, com a ajuda da foice, e aprenderemos a construir as antigas medas (fardos tradicionais). Segue-se o almoço convívio de churrasco nas Hortas da Sabóia. Finalmente, depois de um merecido descanso, voltaremos à aldeia, em veículo todo-o-terreno, com certeza com uma nova visão sobre a história deste local e a sua importância para a conservação da natureza.

Chegada a Algodres às 17.00h.


Dificuldade: Fácil

Distância: 3 km

Custo da actividade: 5 euros para sócios. 12 Euros para não sócios. Inclui seguro de acidentes pessoais, visita guiada por técnico da ATN, material para trabalho e almoço (churrasco)
*Notas: Em caso de mau tempo a visita será adiada para data a combinar com os participantes. Para usufruir de seguro, é indispensável o envio da ficha de inscrição e comprovativo de pagamento até 2 dias antes da actividade


Inscrições e pedidos de informação: geral@atnatureza.org





Filipa Viegas
--
Eng.ª de Recursos Naturais e Natureza
Associação Transumância e Natureza
Email: f.viegas@atnatureza.org
Tel: 271313915
Tlm:
www.ATNatureza.org

quarta-feira, 10 de junho de 2009

Gaia Commitment


Gaia Commitment Fórum Internacional do Condomínio da Terra, um evento em que especialistas de todo o mundo se irão debruçar sobre o relacionamento da humanidade com o planeta que habita. Como Organizar a Vizinhança Global? é o desafio que se coloca e para o qual se aponta uma possível resposta. Dias 4 e 5 de Julho de 2009, na Praça do Eixo Atlântico (estação de metro João de Deus), em Gaia, Portugal, vamos pensar a Terra como um imenso Condomínio.

Gaia Commitment e inscrições: http://gaia.earth-condominium.com

Condomínio da Terra: www.condominiodaterra.org

Gaia, Deusa da Terra | Gaia, Teoria do Planeta Vivo | Gaia, Cidade Portuguesa | Gaia, Declaração do Condomínio da Terra


Condomínio da Terra
Praça das Camélias, 58

4430-037 GAIA

logoQuercus
t: 223 749 249 f: 284 321 326

e: gaiacommitment@earth-condominium.com

i: www.condominiodaterra.org

P Vamos todos cuidar das partes comuns. Evite imprimir.

domingo, 7 de junho de 2009

A Guarda Digital vai lançar um projecto de Web TV para a Beira Interior


Actualmente, a Guarda Digital encontra-se a encetar parcerias com entidades regionais e nacionais, para avançar com um projecto de TV para toda a região da Beira Interior. Para já o projecto contempla apenas a versão Web.

O novo canal irá chamar-se “beirainterior.tv” e conta com o apoio de diversas parcerias para a produção de conteúdos. O projecto pretende «impor-se como um canal agregador de todos os conteúdos com qualidade produzidos pelos diferentes agentes da nossa região» revela o gestor, Sérgio Duarte. De salientar, que no beirainterior.tv serão aplicadas as boas práticas já preconizadas no guarda.pt. No entanto, agora num âmbito mais alargado a nível territorial.